Carregando...

"Bom dia. Temos tantas maravilhas pelas quais agradecer, meu Deus, mas hoje diremos apenas: Obrigado(a), Senhor! Deus abençoe o seu dia!" -

Pentecostes: os dons e os frutos do Espírito Santo
06 a 12/06/2022

1º passo = Encontro
(acolhida) | 10 min

(Cafezinho, se houver. Também pode ser oferecido no final da reunião). Quebra-gelo: Escolha no seu livro, um quebra-gelo ideal para sua célula.

2º passo = Exaltação
15 min.

(As músicas devem corresponder ao louvor e à adoração)

Louvor

1) à escolha
2) à escolha

3º passo = Edificação
(ensino) 40 min
Leitura:
Gl 5,22-25
Salmo:
Salmo 103, 24-35

Vivemos na última semana dias intensos em honra ao Espírito Santo - padroeiro de nossa Paróquia, cuja festa celebramos 50 dias após a Páscoa, no último domingo. Daí o termo “Pentecostes”, que vem do grego e significa “quinquagésimo”. 

Provavelmente nenhum de nós desconhece o Espírito Santo, sabemos que é uma das pessoas da Santíssima Trindade, que estava com Deus Pai e Jesus na criação, e sabemos também que o Espírito Santo vem a nós quando somos batizados. 

Em nossos encontros celulares, sempre clamamos a presença do Espírito Santo.  O que talvez nem todos saibam é que o Espírito Santo nos conduz à santidade por meio de seus dons e de seus frutos.
Quais são os Dons do Espírito Santo?  Deus nos concede como Dons do Espírito Santo:
A SABEDORIA para saber, conduzir e viver a vontade de Deus em nossa vida. Pela sabedoria, vemos o mundo com os olhos de Deus.
A CIÊNCIA para termos conhecimento das coisas de Deus;
O ENTENDIMENTO para termos a mente iluminada e, assim, entender as coisas de Deus que acontecem conosco;
A FORTALEZA, que é a força para lutar contra os problemas desta vida;
O CONSELHO para sabermos por quais caminhos seguirmos, quais decisões tomarmos;
A PIEDADE, que é o amor à Deus, o gosto de estar na presença de Deus, de rezar;
O TEMOR DE DEUS, que não é ter medo, mas sim um profundo respeito pela Majestade de Deus.

Os dons são infundidos em nós, dados a nós por Deus pelo Batismo. Esses dons também são recordados no Sacramento do Crisma. Esses dons nos tornam mais próximos de Deus, da forma como Deus deseja que conduzamos nossas vidas. Os dons também são importantes para que possamos exercer as virtudes.

Já os frutos são resultados de nossa conversão e da abertura de nosso coração para a ação do Espírito Santo. Devemos cultivá-los, buscando uma vida de oração e de intimidade com o Espírito Santo, para que assim frutifiquemos.

Como isso pode acontecer? Tente compreender pelo exemplo dos feijões: se deixarmos os feijões parados em uma lata e essa lata guardada no quartinho de mantimentos, nada vai acontecer. Mas, se plantarmos e regarmos com carinho e dedicação, os mesmos feijões podem germinar, crescer e dar frutos.

O Espírito Santo recebido no Batismo fica ali quietinho, como o feijão na dispensa. É preciso vida de oração, de busca dos sacramentos para que, então, essa “semente” gere frutos de vida eterna. Como na natureza, os frutos não vingam e não crescem se a terra em que estão plantados não for cultivada. Devemos, assim, sempre buscar cultivar a terra do nosso coração para que, a semente do Espírito Santo possa germinar e gerar belíssimos frutos. 

Então por onde começar? Na leitura de Gálatas, o primeiro fruto a aparecer é a caridade: ela é citada primeiro e isso tem um motivo: da caridade (amor) brotam os demais frutos. Todo o bem procede da caridade (em algumas traduções o termo usado é amor): alegria, paz, paciência, delicadeza, bondade, fidelidade, humildade e domínio próprio.

Temos assim o passo inicial e talvez o mais fácil (ou menos difícil) de ver crescer: se permanecermos sob a Luz de Cristo, junto da Igreja, buscando a comunhão sempre que possível, inevitavelmente a caridade irá aflorar em nosso coração, gerando grandes frutos.

Podemos colher 12 frutos do Espírito, que podemos dividir da seguinte forma:
- Frutos que ordenam a mente para o Bem: a Caridade, a Alegria e a Paz;
- Frutos que nos levam a atuar de maneira correta perante as adversidades: a Paciência e a Longanimidade;
- Frutos que nos ajudam a ajustar nossa mente em relação ao que está ao seu redor – o próximo: a Bondade e a Benignidade, a Mansidão e a Fidelidade;
- E, por fim, os frutos que nos permitem ordenar nossa caminhada como templos do Espírito Santo: a Modéstia, a Continência e a Castidade.

Como podemos, então, entender em plenitude os dons do Espírito Santo e fazer crescer os seus frutos? 
- Comece buscando, se possível, o Sacramento da Reconciliação:  ter o perdão de Deus nos dá algo muito melhor. Se acaso não puder, busque ao menos uma conversa com um sacerdote (aproveite que atualmente nossa paróquia permite tal coisa, pois tem diversos horários para confissão e aconselhamento);
- Depois, tente ajustar seu horário para que Deus possa ser parte diária do seu cronograma: celebração eucarística (missa), visita ao Santíssimo, leitura orante da Palavra de Deus. Procure também realizar atos de devoção: o santo terço, orações diárias;
- Comece (se ainda não faz) ou aumente seus atos de caridade: nossa paróquia nos permite ajudar de forma fácil, com a Campanha PES sem Fome; você também pode visitar asilos, casas de recuperação de dependentes, orfanatos, ou ainda ajudar as pastorais que tem como identidade a caridade.
- E, por último e não menos importante: Clame o Espírito Santo de Deus a todo momento. Para que, em qualquer situação, Deus possa te inspirar pela ação de seu Espírito e, assim, conduzir seus atos para que um dia alcance o Céu. 

Pergunta: 
Você está aberto ao Espírito Santo e deixa-O frutificar em você?
 

4º PASSO = EVANGELIZAÇÃO | Nesta etapa da célula é muito importante recordar que cada membro é um discípulo e missionário, conforme a nossa “visão celular” e que devemos ao longo da semana evangelizar nas mais diversas formas que existe para se evangelizar, especialmente através do testemunho e com os seus Oikos.

5º PASSO = ENTREGA (Oração) | 10 minutos (orar pelas necessidades da Igreja, da célula, de seus membros e de pedidos apresentados na hora da oração). 

MEDITAÇÃO: “Vós sabeis que o Espírito Santo constitui a alma, a linfa vital da Igreja e de cada cristão: é o Amor de Deus que faz do nosso coração a sua morada e entra em comunhão com cada um de nós. O Espírito
Santo está sempre conosco, em nós, no nosso coração. O próprio Espírito é «o dom de Deus» por excelência (cf. Jo 4, 10), um presente de Deus e, por sua vez, transmite vários dons a quantos o acolhem. A Igreja identifica sete, número que simbolicamente significa plenitude, totalidade.” (Papa Francisco)

VIVÊNCIA: Quais frutos precisam ser cultivados em sua vida? Reflita sobre isso, identifique suas limitações e busque cuidar melhor dos frutos do Espírito Santo em sua vida. Siga as dicas que o estudo traz.
 


Estudos Anteriores

Colaboradores da evangelização pela comunicação