ENSINA-NOS SENHOR, A DEDICAR TEMPO
SILÊNCIO E ATENÇÃO À ESCUTA DA VOSSA PALAVRA

Saúde espiritual | 06 a 12/02/2017

Tema: Saúde espiritual

Salmo: 147,1-5 (NTLH)
Leitura: Mt 11,28-30


Impressionante como a saúde corporal tem recebido grande atenção nas últimas décadas. Academias se multiplicam, alimentação é controlada, programas especiais de saúde são implantados nos governos dos municípios, estados e União, revistas especializadas não faltam nas bancas, artistas famosos (as) posam transmitindo a ideia de um verdadeiro “culto” ao corpo. A beleza e bem-estar corporal é a receita do dia e não há como mudar isto.

Eliminando os exageros que já levaram muito desavisados até a morte, como o uso indevido de anabolizantes e cirurgias desastrosas na busca do corpo perfeito, não há nada de errado em se buscar uma boa performance e cuidar bem desta nossa “casa corporal”. Ao contrário, temos que cuidar bem de nosso, pois ele é templo do Espírito Santo: “Não sabeis que vosso corpo é templo do Espírito Santo que habita em vós? Glorificai, pois a Deus em vossos corpos” (1 Cor 6,19).

Infelizmente, na contramão do grande investimento que se faz para se ter uma saúde física e um belo corpo, encontramos a baixíssima atenção para se ter uma boa saúde espiritual. Se a prática de exercícios físicos, acompanhamento médico e alimentação controlada nos leva a termos uma boa saúde física, a saúde espiritual também requer muitas cuidados e iniciativas para se manter saudável e equilibrada. Se tudo o que comemos é processado em nosso organismo e transforma-se em energia que nos sustenta, nos mantendo fortes, dispostos, da mesma forma tudo o que lemos, assistimos, bons ou maus hábitos que cultivamos, se oramos ou não, ou se oramos pouco tempo ou por mais tempo, se falamos bem ou mal das pessoas, se cultivamos em nossa mente e corações o perdão ou o rancor, o altruísmo, a compaixão, entre tantas outras práticas, vamos construindo uma boa ou má saúde espiritual.

O apóstolo Paulo nos fala “Encham a mente de vocês com tudo o que é bom e merece elogios, isto é, tudo o que é verdadeiro, digno, correto, puro, agradável e decente. Ponham em prática o que vocês receberam e aprenderam de mim, tanto com as minhas palavras como minhas ações. E o Deus que nos dá a paz estará com vocês” (Fl 4,8-9). Tudo o que vemos e ouvimos é armazenado em nossa mente, assim, se dedicamos nosso precioso tempo em assistirmos Big Brother, por exemplo, e outros programas do gênero, o que esperamos aprender? Ou ainda que filmes, revistas, livros lemos? O que se pode esperar de um coração e mente que busca na mais baixa banalização do entretenimento “alimento” para si?   

Assim como nosso corpo metaboliza o que comemos, ajudando ou prejudicando dependendo do que se come, também, o que lemos, assistimos e falamos afeta diretamente nossa saúde espiritual e mental. Tudo isto também é metabolizado em nossa mente e coração, produz seus efeitos e tem seus reflexos em nossas vidas.

Assim como vemos muita gente doente fisicamente, e não poucas vezes devido à uma alimentação inadequada, podemos nos observar e constatar sintomas em nossa vida espiritual que podem refletir uma má ou boa saúde espiritual, um bom termômetro é a lista apresentada pelo apóstolo Paulo na carta aos Efésios:

1) Manifestações do Espírito Santo, de amor e serviços ao outro: amor, alegria, paz, paciência, bondade, humildade, fidelidade, domínio próprio... (Gl 5,22-24) = BOA SAÚDE ESPIRITUAL

2) Ambição egoísta, invejas, ciumeiras, inimizades, brigas, imoralidade sexual, raiva, bebedeiras, divisões, desunião, e outras coisas parecidas... (Gl 5,19-21) = MÁ SAÚDE ESPIRITUAL

Perguntas:
1) Como está a minha saúde espiritual?
2) O que eu posso fazer para manter uma boa saúde espiritual?


 

4º Passo= Evangelização

 

5º Passo= Entrega (Oração) | 10 minutos

  1. Orar uns pelos outros (após breve partilha);
  2. Orar pelas células, áreas e redes, líderes, supervisores e coordenadores;
  3. Orar por todas as pastorais e movimentos;
  4. Pelos encontros de formação de líderes;
  5. Orar pelo padre Luis Fernando, para que tenha sabedoria, discernimento e revelação para o pastoreio da visão celular e da paróquia;
  6. Orar pelo vigário, diáconos, por toda a liderança paroquial e funcionários;
  7. Por todo trabalho de células;
  8. Orar pelas células que ainda não se multiplicaram este ano;
  9. Orar pelos aniversariantes do mês;
  10. Orar pela nossa escola de formação permanente (ECEFP)
  11. Orar pelo nosso Bispo Dom Cesar.

 

DEUS ABENÇOE SUA VIDA PESSOAL E PROFISSIONAL, SUA SEMANA, SUA FAMÍLIA, SUA REDE E SUA CÉLULA.

Alegria do reencontro | 30/01 a 05/02/2017

Tema: Alegria do reencontro

Salmo: Sl 133 (NTLH)
Leitura: 1Tes 2,17


Pode ser que você já tenha passado pela experiência de ter alguém de sua casa, parente próximo, amigo ou amiga que por um motivo de trabalho, estudos, teve que que se ausentar para um outro estado ou país diferente e ficou muito tempo fora. Verdade é que com o avanço da tecnologia da comunicação, as distâncias geográficas são superadas pelas redes sociais e tantas outras formas de aproximação das pessoas. Mesmo assim, nada substitui a distância física, ainda que você se comunique verbal e visualmente através das diversas tecnologias. Nada substitui o abraço forte e apertado para “matar” a saudade, o olhar no olho da pessoa querida, saber que ela (ele) voltou. Nada substitui as conversas a dois ou em grupo para saber como foi este tempo de ausência: O que se aprendeu? Como e onde você esteve? Você que ficou, como está? O que você fez durante a minha ausência?

A Palavra de Deus, que é a história de seu povo em caminho, é tal qual nossa história, recheada de alegrias e tristezas, de idas e vindas, de partidas e chegadas e de reencontros, marcados por profundas alegrias. Assim José, que foi vendido pelos próprios irmãos e que acabou se tornando o primeiro homem mais importante no Egito, depois do faraó (Gn 37-50), foi se reencontrar com seus irmãos depois de mais de 20 anos e a alegria de ver novamente seus irmãos superou todo o passado e a covardia de ter sido vendido por eles por ciúme. Ao se revelar a seus irmãos , José chorou tão alto que se pode ouvir em toda a casa do faraó e todos seus irmãos também choraram copiosamente (Gn 45,2). Iniciou-se então aquele esperado momento de “colocar a conversa em dia” e José começou por perguntar se o pai ainda vivia, culminando com o belíssimo e emocionante “reencontro” dele com seu pai (Gn 46,28-30). Ainda poderíamos lembrar de Neemias com os Israelitas que retornaram a Jerusalém depois de 70 anos, festejaram e se alegraram por estarem de volta (Ne 8,1-12) e nosso Senhor que através da parábola do filho pródigo mostra a alegria do reencontro do Pai (figura ilustrativa de Deus) que espera diuturnamente reencontrar-se com seu filho (nós).

Ficamos sem nos reunir em células durante cerca de um mês, e por sermos uma “família” a caminho e no aprendizado de comunidade celular, já podemos dizer que somos como um corpo, que nos pertencemos uns aos outros. Temos laços que nos unem, laços de amizades, de nos pertencermos e que este tempo distante certamente gerou um sentimento de saudade, de falta de nosso encontro celular semanal, dos amigos e amigas da célula. Assim como Paulo que sentiu saudades de seus irmãos lá da cidade de Corinto, distante de Tessalônica cerca de 570 Km.

A alegria do reencontro em nossas células deve ser um forte elo de uma corrente inquebrável, liga que nos une tal qual massa entre os tijolos em uma construção fortificada. Daí que neste dia, a exemplo José que se emociona às lágrimas por reencontrar-se com sua família, Neemias que festeja o retorno para sua terra, o pai que se lança nos braços de seu filho pela alegria de tê-lo de volta, também para nós, este reencontro deve ser motivo de festa, alegria, matar saudades e partilharmos o como é bom irmãos viverem juntos.

“Como se comportar com os amigos? Como gostaríamos que se comportassem conosco” (Aristóteles)

Perguntas:
1) Como passei este período sem minha célula?
2) Como me sinto de volta a minha célula?


 

4º Passo= Evangelização

 

5º Passo= Entrega (Oração) | 10 minutos

  1. Orar uns pelos outros (após breve partilha);
  2. Orar pelas células, áreas e redes, líderes, supervisores e coordenadores;
  3. Orar por todas as pastorais e movimentos;
  4. Pelos encontros de formação de líderes;
  5. Orar pelo padre Luis Fernando, para que tenha sabedoria, discernimento e revelação para o pastoreio da visão celular e da paróquia;
  6. Orar pelo vigário, diáconos, por toda a liderança paroquial e funcionários;
  7. Por todo trabalho de células;
  8. Orar pelas células que ainda não se multiplicaram este ano;
  9. Orar pelos aniversariantes do mês;
  10. Orar pela nossa escola de formação permanente (ECEFP)
  11. Orar pelo nosso Bispo Dom Cesar.

 

DEUS ABENÇOE SUA VIDA PESSOAL E PROFISSIONAL, SUA SEMANA, SUA FAMÍLIA, SUA REDE E SUA CÉLULA.

O QUE FAZER SEM MINHA CÉLULA?

Esta semana, quando enviamos a mensagem de que teremos grande célula no dia 05/12 com celebração da Santa Missa e que com ela encerraríamos o Ano Celular, voltando com os roteiros para o dia 30/01, um líder enviou-me um e-mail perguntando: “Vamos ficar todo este tempo sem célula?”. Notei no teor da pergunta um sincero sentimento de tristeza por saber que ficaria todo este tempo sem o encontro semanal com seus irmãos e irmãs de célula. Isso é salutar, bonito e bom, porque por trás desta pergunta revela-se:

1) Um sentimento de pertença à sua célula, que ser membro de uma célula é gratificante, aprende-se, crescemos na fé e na amizade que é um grande valor em nossas vidas.
2) Que este “recesso” celular não é aquele “alívio”: “agora vou descansar de células” ou seja “férias” no sentido negativo deste recesso, mas não!

Este episódio, nos faz refletir sobre um assunto muito profundo que podemos chamar de “o espírito de uma célula” ou “o espírito celular”. Mas o que seria isto? Nossa alma (que é espiritual) é que nos mantém vivos, é o sopro de vida que nos foi dado por Deus, é o Espírito Santo que mantém viva a Igreja, e é este mesmo Espírito que habita em nós.

O espírito celular é, por analogia, aquele sentimento forte que nos une mesmo estando distante um dos outros, sentimento de pertencermos a este modelo de ser Igreja, de termos sempre presente conosco a “visão celular”, de vivenciarmos os cinco “E´s” em nossas vidas mesmo não estando no encontro semanal de nossa célula: acolher bem a todos que se aproximam de nós, sempre exaltar ao nosso Deus e aprender de Sua Palavra, sempre evangelizar e orar.

Este “espírito celular” então, deve-nos acompanhar sempre, onde quer que estejamos.

Mas o fato é que fisicamente o encontro semanal da célula ficará um tempo parado. Quanto a isto podemos dizer que este tempo distante é também salutar, todos nós precisamos tirar um tempo para nós mesmos juntamente com nossas famílias. Os diáconos, padres e bispos também tiram férias e nem por isto deixam de ser diáconos, padres e bispos. O “espírito episcopal” (pastor), o “espírito presbiteral” (padre-pai) e o “espírito diaconal” (serviço) que norteiam suas vidas os acompanham onde quer que forem em suas férias, assim, o “espírito celular” nos acompanhará durante este tempo em que ficaremos ausentes de nossos encontros semanais.

Evidentemente que em nossa célula cultivamos amizades que não estão presas somente às reuniões semanais, já são amigos e amigas e neste “recesso” é perfeitamente normal as visitas e programas conjuntos e porque não se reunirem para partilhas e estudos “extra célula”?

Este período de ausência física uns dos outros produz em nós um outro sentimento muito bonito que conhecemos pelo nome de saudade; saudade é sinônimo de ausência, dos membros, do calor da célula reunida, dos ensinos, das partilhas, de tudo o que envolve a vida celular. Mas saudade é também uma forma de amar, porque amo o que sinto falta em meu coração.

Cultivemos então este “espírito celular” em nossas vidas para que quando por algum motivo eu precisar ficar temporariamente e fisicamente sem a minha célula ela sempre fique presente em meu coração e em meu dia a dia.

Cristóvão Gonçalves

TEMPO DE ESPERAR | 28/11 a 04/12/2016

Tema: TEMPO DE ESPERAR

Salmo: 27(NTLH)
Leitura: Is 2,1-5


A geração de uma nova vida, especialmente a vida humana, é o acontecimento mais espetacular na face da terra. Quando se trata da vida humana este espetáculo se reveste de maior significado, pois esta geração de vida precede de uma identificação entre duas pessoas que se amam. A nova vida será fruto do amor e não somente um acontecimento biológico.

Desde o momento em que o casal atesta a gravidez, nasce automaticamente a expectativa de uma nova vida que cresce a cada dia terminando no dia em que a mãe recebe a criança chorando em seus braços. A mãe passa por um advento de nove meses até que seu filho venha, que nasça, que alegre a toda família e amigos. Encerra-se o tempo de espera para dar lugar à presença real de mais uma nova vida.

O tempo de espera é um tempo de preparação para se receber uma nova vida: como será? será menino ou menina? É tempo de “curtir” a certeza de que a nova vida está ali, sendo gestada, bastando esperar o tempo certo de sua manifestação, de sua chegada, de sua vinda. Tempo da mãe preparar as roupinhas, de receber até antecipadamente os presentes dos amigos, os cuidados que a mãe deve ter para bem cuidar e receber o fruto do amor vivido... Quando chega o dia, que alegria! Até a dor do parto se converte em lágrimas de felicidade e a expectativa, a espera, se acaba, deixa de existir pois o que se esperava chegou!

Estamos entrando no lindo tempo do advento, que significa espera, expectativa pela vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, da encarnação do Verbo de Deus. Advento é advento, não é o Natal ainda. Por vezes “atropelamos” este riquíssimo tempo que são quatro semanas que antecedem o Natal, não o aproveitando devidamente. Começamos os preparativos natalícios embalados já no clima de festas e deixamos de viver este espaço de tempo que é carregado de uma rica espiritualidade: A ESPIRITUALIDADE DA ESPERA, DA PREPARAÇÃO PARA A SUA VINDA.       

Podemos falar de quatro adventos:

1) Advento pessoal, a conversão: “Eu sou a voz que clama no deserto, preparem o caminho do Senhor” (Jo 1,23). Ainda carregamos as marcas do pecado em nossas vidas, este tempo suscita em nós mudanças para que possamos esperar e receber bem nosso Senhor em nossos corações.  

2) Advento litúrgico mesmo: Com a Igreja nos preparamos para celebrar o nascimento histórico de Jesus, esperamos o maior acontecimento já acontecido na humanidade: “O Verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,14). A vinda anunciada pelos profetas está prestes a acontecer, a humanidade que ansiava por libertação viu resplandecer no céu uma grande luz, a luz da salvação.

3) Advento escatológico (final dos tempos): “Então vi um novo céu e uma nova terra..., Ele enxugará toda lágrima, não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor. As coisas velhas já passaram” (Ap 21,1-4). Neste dia estaremos todos juntos na Jerusalém celeste, na morada eterna com nosso Senhor Jesus Cristo, Nossa Senhora, nossos entes queridos, contemplando a visão celestial.

4) Advento social: “Lobos e ovelhas viverão em paz, leopardos e cabritos descansarão juntos...” (Is 11,1-9). No advento trabalha-se muito o profeta Isaias, que profetiza sobre o reinado do Messias na terra, sendo o profeta da esperança. Mas enquanto este reinado não chega, nós aqui peregrinamos e com a força do Espírito Santo, com nosso trabalho e consciência de que podemos ser também agentes de transformação de nossa sociedade. Quem não quer e espera por uma sociedade mais justa e fraterna?

Assim, neste contexto mais amplo de advento, podemos aproveitar e vivenciar melhor este especial tempo litúrgico que nossa Igreja nos proporciona. Amém!

Perguntas:
1) Como esperar com alegria cristã as coisas normais da vida?
2) Como posso viver o advento em minha vida?


 

4º Passo= Evangelização

 

5º Passo= Entrega (Oração) | 10 minutos

  1. Orar uns pelos outros (após breve partilha);
  2. Orar pelas células, áreas e redes, líderes, supervisores e coordenadores;
  3. Orar por todas as pastorais e movimentos;
  4. Pelos encontros de formação de líderes;
  5. Orar pelo padre Luis Fernando, para que tenha sabedoria, discernimento e revelação para o pastoreio da visão celular e da paróquia;
  6. Orar pelo vigário, diáconos, por toda a liderança paroquial e funcionários;
  7. Por todo trabalho de células;
  8. Orar pelas células que ainda não se multiplicaram este ano;
  9. Orar pelos aniversariantes do mês;
  10. Orar pela nossa escola de formação permanente (ECEFP)
  11. Orar pelo nosso Bispo Dom Cesar.

“O SENHOR DEUS ESTAVA COM JOSÉ.... ASSIM, JOSÉ GANHOU A SIMPATIA DE SEU DONO,
QUE O PÔS COMO SEU AJUDANTE PARTICULAR. POTIFAR DEU A JOSÉ A RESPONSABILIDADE DE
CUIDAR DA SUA CASA E TOMAR CONTA DE TUDO O QUE ERA SEU, DAÍ EM DIANTE POR CAUSA DE JOSÉ,
O SENHOR ABENÇOOU O LAR DO EGÍPCIO E TAMBÉM TUDO O QUE ELE TINHA EM CASA E NO CAMPO” (GN 39,4-5)

“E ESTER CONQUISTOU A SIMPATIA DELE. IMEDIATAMENTE, ELE COMEÇOU A
PROVIDENCIAR PARA ELA O TRATAMENTO DE BELEZA E COMIDA ESPECIAL...,
ELA CONQUISTOU A SIMPATIA DELE COMO NENHUMA OUTRA..., E A FEZ DELA RAINHA”

 

DEUS ABENÇOE SUA VIDA PESSOAL E PROFISSIONAL, SUA SEMANA, SUA FAMÍLIA, SUA REDE E SUA CÉLULA.

Como manter uma célula viva (quinta parte: Cativavam a simpatia de todo o povo e multiplicavam-se) | 21 a 27/11/2016

Tema: Como manter uma célula viva (quinta parte: Cativavam a simpatia de todo o povo e
multiplicavam-se)

Salmo: 89,1-9 (NTLH)
Leitura: At 2,47


Chegando ao final desta série vamos ver as consequências positivas desta perseverança dos primeiros cristãos. Como já vimos eles eram firmes na oração, na comunhão fraterna, na doutrina dos Apóstolos, na Eucaristia no templo e nas casas e tinham a força e coragem advindas do Batismo no Espírito Santo. Nem a perseguição a fio de espada conseguiu parar estes homens e mulheres de Deus.

São Lucas continua nos dizendo que eles sempre estavam em louvor a Deus e cativavam a simpatia de todo o povo e assim mais e mais pessoas se ajuntavam a eles (V. 47). Não tenhamos dúvidas de que o motivo principal que os levou a crescerem era a maneira como eles viviam o cristianismo, o testemunho de fé em Cristo Ressuscitado, em como eles se ajudavam (testemunho prático de que aquela fé professada tinha condições de ser modelo de vida a ser seguido e não simplesmente mais uma religião, mais um código religioso).     

SIMPATIA: Simpatia é sinônimo de agradável. Uma pessoa simpática é uma pessoa agradável, que a gente se sente bem em conversar e estar perto. Pela narrativa dos Atos dos Apóstolos nossos primeiros irmãos e irmãs atraiam as pessoas para perto delas pela maneira de como eles viviam e pelo visto eram pessoas alegres, agradáveis, bem resolvidas, tinham certeza de sua fé, viviam bem a ressurreição do Senhor, tinham esta certeza da fé que professavam, eram muito unidos entre si e se ajudavam mutuamente.

Por muito tempo, algumas pessoas tinham o conceito errôneo de que ser cristão-católico era sinônimo de antiquado, carola, beato (no sentido pejorativo). Media-se a fé pelas roupas que se vestiam e viver a fé significava não fazer uma série de coisas, transmitindo a imagem de um catolicismo chato, retrógado, castrador, limitador. Esta compreensão errônea (entre outros motivos) afastou muita gente da Igreja e nos deixou descompassado do mundo moderno por muitos anos de diferença.

A fé compreendida e vivida é libertadora, nos realiza, nos transforma em novas criaturas (2 Cor 5,17). Não tem sentido o católico ser rancoroso, cara amarrada, transmitindo até uma falsa ideia de que ser cristão é carregar um fardo muito pesado. Dizia-se antigamente que estas pessoas eram cristãos de sexta feira e não de domingo da ressurreição (não no sentido da compreensão profunda e espiritualidade da paixão de Cristo, mas no sentido de viverem ainda hoje uma religião de derrota, de morte e tristeza). A nossa fé cristã-católica é de vitória, de vida, de ressurreição.

“Ser simpático, é uma qualidade, um adjetivo bonito na vida da pessoa e uma poderosa ferramenta de evangelização. Pela perseverança e simpatia foi que os primeiros cristãos atraiam mais pessoas para as suas células”.

Em que pese este espaço ser pequeno, consegue-se dar algumas dicas entre tantas de como ser simpático: seja sincero, seja amigo verdadeiro (a), tenha sempre um sorriso ao cumprimentar outra pessoa. Quando sentir que seu vizinho ou colega de trabalho não está bem, pergunte: “Está tudo bem? Se precisar de ajuda, pode contar comigo”. Aceite as pessoas como elas são, evite julgamentos precipitados, ajude pessoas a atravessar uma rua, a carregar um pacote no elevador, PERDOE SEMPRE, seja sempre prestativo em seu trabalho e em qualquer outro lugar, ofereça seu lugar no ônibus se alguém precisar... e segue-se mais algumas centenas de atitudes que se tomadas podem fazer de você uma pessoa simpática e ainda atrair pessoas para nossa comunidade e célula, não nos esqueçamos do ´provérbio que funciona: “UMA GOTA DE MEL ATRAI MAIS ABELHAS DO QUE UM BARRIL DE FÉL”, Seja simpático!!!

São Lucas conclui esta conversa dizendo: “E o Senhor a cada dia acrescentava outros que estavam a caminho da Salvação” (V. 47). Viver o Batismo no Espírito Santo, perseverança na Doutrina dos Apóstolos, na comunhão fraterna, na Eucaristia, na oração, viver unidos, louvando a Deus e sendo simpáticos, com certeza conseguiremos mais Oikos para nossas células. Assim foi com eles e assim pode ser hoje também.

Perguntas:
1) Como era a vida dos primeiros cristãos?
2) Como ser simpático em nossos dias?


 

4º Passo= Evangelização

AVISO:
A coordenação do Jubileu Sacerdotal do Padre Luis Fernando solicita a cada membro de célula uma colaboração de R$ 5 para a compra de um presente único a ser entregue a ele no dia 14/12 na missa de seu aniversário (ele não sabe, é surpresa!). Este mesmo pedido já foi feito a todos os movimentos e pastorais da paróquia. Este valor pode ser entregue ao líder de célula, ao supervisor e ao coordenador e ainda poderá ser entregue na Secretaria Paroquial, com nome da pessoa, sua célula e rede.

5º Passo= Entrega (Oração) | 10 minutos

  1. Orar uns pelos outros (após breve partilha);
  2. Orar pelas células, áreas e redes, líderes, supervisores e coordenadores;
  3. Orar por todas as pastorais e movimentos;
  4. Pelos encontros de formação de líderes;
  5. Orar pelo padre Luis Fernando, para que tenha sabedoria, discernimento e revelação para o pastoreio da visão celular e da paróquia;
  6. Orar pelo vigário, diáconos, por toda a liderança paroquial e funcionários;
  7. Por todo trabalho de células;
  8. Orar pelas células que ainda não se multiplicaram este ano;
  9. Orar pelos aniversariantes do mês;
  10. Orar pela nossa escola de formação permanente (ECEFP)
  11. Orar pelo nosso Bispo Dom Cesar.

“O SENHOR DEUS ESTAVA COM JOSÉ.... ASSIM, JOSÉ GANHOU A SIMPATIA DE SEU DONO,
QUE O PÔS COMO SEU AJUDANTE PARTICULAR. POTIFAR DEU A JOSÉ A RESPONSABILIDADE DE
CUIDAR DA SUA CASA E TOMAR CONTA DE TUDO O QUE ERA SEU, DAÍ EM DIANTE POR CAUSA DE JOSÉ,
O SENHOR ABENÇOOU O LAR DO EGÍPCIO E TAMBÉM TUDO O QUE ELE TINHA EM CASA E NO CAMPO” (GN 39,4-5)

“E ESTER CONQUISTOU A SIMPATIA DELE. IMEDIATAMENTE, ELE COMEÇOU A
PROVIDENCIAR PARA ELA O TRATAMENTO DE BELEZA E COMIDA ESPECIAL...,
ELA CONQUISTOU A SIMPATIA DELE COMO NENHUMA OUTRA..., E A FEZ DELA RAINHA”

 

DEUS ABENÇOE SUA VIDA PESSOAL E PROFISSIONAL, SUA SEMANA, SUA FAMÍLIA, SUA REDE E SUA CÉLULA.

Pagina 7 de 32

Cada casa, uma célula que cresce e se multiplica; cada membro, um discípulo e missionário de Jesus Cristo.

Missas

2ª feira: 7h (Celebração) 
3ª feira: 7h e 19h30
4ª feira: 7h e 19h30 (Setor)
5ª feira: 7h, 12h15 e 19h30AB
6ª feira: 7h, 15hAB 
Sábado: 19hB (Igreja e CP4)
Domingo: 7h30, 10hB, 12hB, 17h30
e 19h30B

Programação válida de 18/09 a 24/09

Confissões

3ª feira: 17h30
4ª feira: 9h30
5ª feira: 9h30
6ª feira: 9h30
Sábado: 10h 

Chegar com 40 minutos de antecedência

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(12) 3931-2959

Avenida Cassiopéia, 461
Jardim Satélite, São José dos Campos/SP
12230-011

 

Regiao Pastoral V Banner site